No Senhor Carregando

Abunde Também Nesta Graça

Jesus é o nosso Mestre e modelo em todas as coisas. Para levar Sua obra adiante, Ele dependia totalmente da provisão do Pai. No entanto, Ele e Seus colaboradores mantinham uma bolsa, pois essa provisão vinha por meio da generosa contribuição daqueles que foram abençoados pelo Seu ministério.

“… Os Doze estavam com ele, e também algumas mulheres que haviam sido curadas de espíritos malignos e doenças (…) e muitas outras. Essas mulheres ajudavam a sustentá-los com os seus bens.” – Lucas 8:1-3

Hernandes Dias Lopes, sendo honesto com o texto, comenta: “As mulheres que foram transformadas e libertadas pelo ministério de Jesus acompanhavam-no e seus discípulos para oferecer-lhes suporte financeiro e prestar-lhes assistência com os seus bens. Apesar de possuir o poder, Jesus não operou milagres para prover o seu sustento físico. Por isso, aceitou a ajuda das mulheres. A palavra de Deus ensina que aqueles que recebem bênçãos espirituais devem retribuir com bênçãos materiais (Rm 15:27). O grupo apostólico tinha uma bolsa comum da qual tiravam seu sustento e as ofertas para os pobres (Jo 13:29)”.

Paulo, seguindo o exemplo e os ensinamentos do Mestre, viveu e ensinou a equilibrar a espiritualidade com a praticidade no tocante à provisão dos que labutam no ministério e ao socorro aos santos pobres.

“Paulo faz uso da coleta como ocasião para ensinar. Ele dedica mais espaço em suas cartas para escrever sobre esse assunto que para escrever sobre a justificação pela fé. Isso provavelmente nos surpreende.” – Chris Wright

Aos coríntios ele diz: “Como, porém, em tudo, manifestais superabundância, tanto na fé e na palavra como no saber (…) assim também abundeis nesta graça [de contribuir].” – 2 Coríntios 8:7

Com Jesus, Paulo e ao longo da história da Igreja aprendemos que a obra de Deus é feita por meio dos que trabalham no ministério, das mãos que contribuem e dos joelhos daqueles que oram.

William Carey, o pai das missões modernas, disse que aqueles que seguram as cordas são tão importantes como aqueles que descem às profundezas para socorrer os aflitos.

“Somos chamados a contribuir com generosidade e alegria, como um fruto da vida do Espírito dentro de nós. (…) Paulo não considera a contribuição um assunto mundano ou secular, nem um assunto secundário para a vida da Igreja. Ao contrário, para ele a graça de contribuir é um ponto essencial da parte que nos cabe como membros da Igreja de Cristo” – John Stott

Alguém já disse que “a Igreja de Atos unia pessoas e repartia os bens. A Igreja hoje divide pessoas e acumula bens”, mas temos o privilégio de honrarmos a Deus contribuindo com os recursos com os quais Ele tem nos abençoado, para o avanço do Seu reino. Se seguimos as pegadas do Mestre, não podemos deixar de praticar e ensinar o que Ele viveu e ensinou.

Somos um pequeno ministério que, entre outros encargos, colabora provendo recursos para sustento e avanço da obra do Senhor e para os santos pobres que carecem de socorro.

Se você tem sido abençoado por este ministério, considere também cooperar com a bolsa da obra, como aquelas mulheres que colaboravam com Jesus. Basta nos enviar um e-mail para bolsadaobra@gmail.com

Como disse Spurgeon: “O tempo de dar logo estará terminado (…). Oh, então doem como doadores alegres enquanto podem!”.

Abundemos também na graça de contribuir.

Pelos interesses de Cristo,

Gerson Lima

07/11/19